domingo, 20 de setembro de 2015

MERCADO BRASILEIRO DE FLORES/ EXPOFLORA


Mercado de flores deve crescer 10% e faturar R$ 6,2 bilhões



Presidente do Ibraflor, Kees Schoenmaker destaca que “o cultivo de flores oferece muitas possibilidades para o pequeno produtor, desde que a propriedade fique perto do mercado consumidor, no máximo, a 100 km de distância”. 

O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de flores e plantas ornamentais e deve movimentar R$ 6,2 bilhões em 2015, ante R$ 5,7 bilhões no ano passado. O resultado esperado projeta um crescimento de até 10%, mesmo em um cenário de crise.
Fontes do setor creditam a expectativa positiva a novas variedades de flores e plantas ornamentais; aos investimentos em reservatórios para captação da água da chuva e em sistemas mais eficientes e adequados de irrigação – como gotejamento e inundação com reaproveitamento após o filtro -, para evitar desperdícios e driblar a crise hídrica; além da instalação de caldeiras movidas a lenha, cavaco e/ou a gás para climatização das estufas, de forma a minimizar os custos com a energia elétrica.
“Estou há 25 anos no mercado e esta não é a primeira crise que o País atravessa. Já tivemos situações piores e o consumidor não deixou de comprar flores. Quem está investindo este ano vai colher bons frutos, quando o mercado se estabilizar”, aposta o engenheiro agrônomo Renato Optiz, presidente da Câmara Setorial Estadual de Flores e Plantas Ornamentais e diretor de Marketing do Instituto Brasileiro de Flores (Ibraflor).
“Estamos ligeiramente otimistas. Tomamos a decisão de não participar desta crise”, reforça Kees Schoenmaker, presidente do Ibraflor.
Na opinião de Optiz, o principal desafio do setor é reduzir as perdas no processo, tanto na embalagem quanto no transporte.
“Como o clima do Brasil é muito quente, as flores se deterioram rapidamente e exigem um ambiente refrigerado após a colheita. Por isto, é preciso continuar melhorando a cadeia do frio para garantir que elas cheguem com qualidade ao consumidor”, sugere.
Schoenmaker aponta como desafios manter os custos sob controle e melhor a automação e a mecanização, além de aprimorar a cadeia de frio. “Buscamos a satisfação do consumidor.”
PRODUÇÃO FAMILIAR
O cultivo de flores tem despertado a atenção de agricultores familiares. Eventos como a Hortitec e a Enflor, realizados anualmente em Holambra, no interior de São Paulo, têm recebido caravanas de produtores da agricultura familiar interessados em conhecer sobre flores.
“Trata-se de uma alternativa interessante para geração de renda em uma pequena área”, garante Optiz.
Segundo Schoenmaker, 75% a 80% dos produtores de flores são de pequeno porte.
“Este é o perfil ideal para a atividade, mas exige muito profissionalismo, pois o mercado é bastante concorrido”, avisa.
O presidente do Ibraflor ainda ressalta que o cultivo de flores oferece muitas possibilidades para o pequeno produtor, desde que a propriedade fique perto do mercado consumidor, no máximo, cem quilômetros de distância, a não ser que esteja reunido em cooperativa. “Quanto mais perto, mais viável.”
De acordo com Schoenmaker, o mercado brasileiro de flores e plantas ornamentais responde por 215.818 empregos diretos, sendo 78.485 (36,37%) na produção, 8.410 (3,9%) na distribuição, 120.574 (55,87%) no varejo e 8.349 (3,8%) em outras funções, especialmente como apoio. O consumo brasileiro de flores é de R$ 26,68 por habitante ao ano.
VARIEDADES
O mercado brasileiro oferece grande variedade de flores de todos os tamanhos, cores e embalagens para atender aos mais variados gostos e ocasiões. Segundo Optiz, o consumidor tem à sua disposição mais de 500 espécies e mais de 3 mil variedades entre todos os tipos de flores.
De acordo com o Ibraflor, o Brasil possui 14.992 hectares de área cultivada com flores e plantas ornamentais – propriedade média de  1,8 hectares –  e um total  de 8.248 produtores. Antes, as vendas de flores e plantas ornamentais eram concentradas em floriculturas, atualmente é possível comprar grande variedade em supermercados e outros pontos de venda dos grandes centros urbanos.
“Hoje as flores podem ser encontradas facilmente, inclusive encomendadas pela internet, o que tem ajudado muito em sua popularização. Mas é importante ampliar ainda mais os canais de comercialização, para ter o produto disponível facilmente em cidades menores”, salienta Optiz.
BOA EXPECTATIVA
Duas cooperativas de flores de Holambra (SP), que respondem por 50% de todo o mercado nacional de flores, têm boa expectativa para 2015. A Cooperflora, que reúne 52 produtores e atende a 400 clientes com uma produção semanal de 2 milhões de hastes, projeta crescimento entre 7% e 10%.
Já a Cooperativa Veiling Holambra, com 360 associados e 500 clientes ativos, que participam de leilões reversos diários para abastecer atacadistas e varejistas de flores, espera faturar R$ 550 milhões, um aumento de 8% a 12% em relação ao ano passado.
Há seis anos, a Veiling praticamente deixou de exportar para atender à demanda do mercado brasileiro. Atualmente, abre exceções apenas para pequenos compradores da Argentina, Paraguai e Uruguai.
A comercialização de flores e plantas ornamentais é feita em cerca de 60 centrais de atacado cadastradas, 650 empresas atacadistas e 21.124 pontos de vendas no varejo, além de 30 feiras e exposições realizadas no País.
Uma amostra do que representa o setor, as novidades e as tendências mundiais podem ser conferidas na Expoflora – maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina –, que acontece em Holambra no próximo dia 27 de setembro.
http://sna.agr.br/mercado-de-flores-deve-crescer-10-e-faturar-r-62-bi/


Nenhum comentário:

Postar um comentário