segunda-feira, 30 de novembro de 2015

COP21 / COMEÇA HOJE!



 Conferência do Clima, #COP21, teve início hoje, em Paris. O evento, que acontece até 11 de dezembro, tem como principal objetivo costurar um novo acordo para diminuir as emissões de gases de efeito estufa e limitar o aumento da temperatura global em 2ºC até o fim deste século. 
 Para saber mais sobre a #COP21, acesse o perguntas e respostas elaborado pela ONU:http://goo.gl/au6LSo 

📲

Acompanhe também série do #MMA sobre o tema:https://goo.gl/HzcsY3




https://www.ministeriomeioambiente/photos/a.313644382070495.58169.312435548858045/723805151054414/?type=3&theater



sábado, 28 de novembro de 2015

MINISTÉRIO PLANEJA REVITALIZAR BACIA DO RIO DOCE






João Freire
ascomchicomendes@icmbio.gov.br


Linhares, ES (24/11/2015) – Desde o dia 5 de novembro, quando a barragem de rejeitos da mineradora Samarco se rompeu, na cidade de Mariana (MG), o Governo Federal está mobilizado para dar atendimento às pessoas atingidas pela lama e para minimizar os danos à natureza, ao longo dos mais de 600 quilômetros do rio Doce. Este é considerado o maior acidente ambiental já ocorrido no Brasil.


Na segunda-feira (23), a ministra do meio ambiente Izabella Teixeira, visitou a região costeira do Espírito Santo, onde a lama chegou há três dias. A ministra sobrevoou as praias do município de Linhares (ES), próximas à foz do rio Doce, para avaliar a situação. “O acidente ainda não acabou. A lama está no mar, concentrada em um raio de dez quilômetros. Não há previsão de impacto na Bahia e em Vitória. Temos que continuar monitorando a situação para avaliar os danos e rever as ações em curso”, definiu a ministra.


A ministra também falou sobre as próximas etapas do trabalho coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). “Serão formados dois grupos de trabalho no MMA: um coordenado pelo Ibama e pelo ICMBio para avaliar o acidente de forma geral, com a participação dos órgãos ambientais e da sociedade civil. O outro grupo será coordenado tecnicamente pela Secretaria de Biodiversidade (SBF) para estudar a recuperação da bacia do rio. Neste trabalho, vamos ter que chamar os estados de Minas Gerais e Espírito Santo para participar. A recuperação vai levar anos”, explicou Teixeira.


“Temos que transformar este evento lamentável em um ativo do país. A revitalização do rio Doce deverá ser um cartão de visita do Brasil: como devolvemos o rio à sociedade de maneira melhor do que estava”, concluiu a ministra.


Acompanharam a ministra na viagem, dirigentes do MMA e de órgãos ambientais federais como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Estes órgãos estão atuando em conjunto nas regiões afetadas, realizando resgates de fauna, monitoramento de rios e praias e avaliando a extensão dos danos à natureza, ao longo do rio Doce.


“Desde o dia do acidente equipes técnicas do ICMBio estão presentes em Minas Gerais e no Espírito Santo. Nosso objetivo é evitar que as consequências do acidente para a biodiversidade sejam ainda maiores”, explicou o presidente do ICMBio, Claúdio Maretti. “O Centro de Tartarugas Marinhas (Tamar) e o Centro Nacional de Peixes Continentais (Cepta) estão resgatando animais e avaliando o impacto da lama sobre a fauna. Este trabalho deve durar pelo menos três meses”, concluiu o presidente.


Em reunião com o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, e com organizações não-governamentais ambientais que atuam na região, a ministra manifestou preocupação com a situação das pessoas que dependem do rio Doce. “Temos que resolver no curto prazo o problema dos pescadores impactados, aumentar a oferta de água e resolver a questão do esgoto que é jogado no rio por muitas cidades, sem tratamento”.


Para o governador, a parceria com o governo federal está funcionando bem desde o primeiro momento. “Agradeço o apoio da ministra e de sua equipe. Quando eu pedi mais pessoas do ministério na área para acompanhar o impacto, fomos atendidos na hora”, comentou o governador. “O desastre é grave, mas muitos dos nossos problemas ambientais são anteriores. Temos uma oportunidade agora: vamos cuidar do desastre e depois vamos resolver as outras coisas e recuperar a bacia do rio”, afirmou Hartung.

.




http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-destaques/7371-ministerio-planeja-revitalizar-bacia-do-rio-doce.html



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

12 AÇÕES PARA ENFRENTAR OS IMPACTOS DA TRAGÉDIA EM MG / ES



Para refletir:
Sim, a tragédia é de responsabilidade da mineradora, e os erros da mineradora  podemos considerar parte de responsabilidade do governo. Seriam essas 12 medidas satisfatórias? Foram de fato cumpridas e suficientes? O emergencial se arrasta, o abastecimento de água parece um problema latente, quanto das espécies ameaçadas se perderam? Isto só para exemplificar o caos que ainda está por vir. A manifestação da ONU é mais que pertinente. Até quando estaremos expostos à tragédias anunciadas?
Embora a tragédia seja de inteira responsabilidade da mineradora, desde o dia da tragédia o governo tomou uma série de medidas para atender as pessoas atingidas e minimizar os danos ocorridos.
Já no dia 5 de novembro, dia do rompimento da barragem a presidenta Dilma Rousseff ligou para o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, colocando o governo federal à disposição para tudo o que o Estado precisasse em suas ações emergenciais.
No dia seguinte, o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, junto com o secretario nacional de Proteção e Defesa Civil, Adriano Pereira Júnior, estiveram em Minas Gerais para acompanhar as ações de socorro.
Desde então, diversas ações foram desencadeadas pelo governo federal para minimizar os impactos do desastre. Saiba mais:
1. Atendimento emergencial
A primeira ação federal efetiva foi atuar no socorro e nas buscas por desaparecidos, com ações da Defesa Civil, do Exército e da FAB, que atuaram logo após o rompimento das barragens. Foram mobilizadas três viaturas do Exército, aeronaves de FAB e nove militares para o apoio às buscas, bem como três técnicos da Integração Nacional para auxiliar no levantamento das necessidades. 
2. Bolsa família antecipado
As mais de 3,6 mil famílias de Mariana inscritas no Bolsa Família tiveram a liberação antecipada do recursos na última terça-feira (17). O saque normalmente é feito sob um calendário que leva em consideração o último algarismo do Número de Identificação Social (NIS) impresso no cartão Bolsa Família. Diante da tragédia, o governo facilitou a liberação dos recursos, para ajudar a população afetada. Em dezembro, o saque antecipado poderá ser realizado no dia 10.  
3. Reconhecimento de emergência em Mariana (MG) e FGTS liberado
O Ministério da Integração Nacional reconheceu no dia 11 de novembro, atendendo a pedido do município de Mariana, a situação de emergência na região de Bento Rodrigues.
O reconhecimento da situação de emergência, por meio de uma portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), é necessário para facilitar o auxílio da União em procedimentos como aquisição e distribuição de alimentos e realização de obras emergenciais.
Foi esse ato, por exemplo, que permitiu à presidenta Dilma editar também um decreto que liberasse às vítimas do rompimento da barragem o saque de até R$ 6.220 do saldo acumulado no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). 
4. Abastecimento de água
O Ministério da Integração Nacional articulou as instituições e órgãos estaduais e federais nas medidas para garantir água para consumo tanto em Mariana como em cidades próximas, ao longo do rio Doce, que receberam a lama com rejeitos lançada pelo rompimento da barragem.
Em Governador Valadares (MG), por exemplo, foi estabelecido um estoque de água mineral para distribuição, feita pelo Exército. Além disso, foi reativada uma estação de tratamento de água, que, associada a uma estação móvel levada até a região, garantiu a retomada do abastecimento regular.
Já no Espírito Santo foram implantados meios alternativos de abastecimento: poços artesianos, carros-pipa e instalação de caixas d´agua em local estratégico.  Em Colatina (ES), a previsão é perfurar cinco poços para levar água à estação de tratamento local e foi criada uma alternativa para captação de água no Rio Pancas. Um canal do Rio Guandu foi desassoreado e limpo para garantir a captação e abastecimento da cidade de Baixo Guandu. 
5. Samarco multada
O governo federal, por meio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), aplicou multas que totalizam mais de R$ 250 milhões contra a Samarco. O governo vem cobrando a atuação da empresa na contenção e na reparação dos danos causados pela tragédia.  
6. Recuperação do Rio Doce
A presidenta Dilma Rousseff iniciou um diálogo com os governos mineiro e capixaba para definir um plano conjunto de recuperação da Bacia Hidrográfica do Rio Doce. O tema também é tratado no âmbito do comitê de trabalho, coordenado pela Casa Civil, que o governo instituiu para avaliação das respostas ao desastre. 
7. Monitoramento 24 horas do Rio Doce
Após acidente, o Serviço Geológico Brasileiro (CPRM) antecipou o início da operação 24 horas de monitoramento contínuo do Sistema de Alerta da Bacia do Rio Doce, que abrange diversos municípios do leste de Minas Gerais e do Espírito Santo.
 8. R$ 9 milhões extras para órgão que fiscaliza mineração
O Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) terá R$ 9 milhões adicionais ao seu orçamento para adoção de medidas emergenciais em Minas Gerais. Os recursos serão usados este ano e em 2016 para contratar técnicos e auditores para aumentar a fiscalização os empreendimentos minerários em Minas Gerais, incluindo a segurança das barragens de mineração, que também é feita pelo DNPM de forma complementar à dos órgãos ambientais responsáveis pelo licenciamento de sua construção. Em 06/11, dia seguinte ao acidente, o DNPM determinou a suspensão das atividades do empreendimento, por tempo indeterminado. 
9. Recomposição de documentos
Equipes do Ministério do Trabalho e Previdência estão fazendo, em Mariana, a expedição de carteiras de trabalho das pessoas atingidas pelo rompimento da barragem. 
10. Monitoramento da qualidade da água
O Serviço Geológico do Brasil e a Agência Nacional de Águas (ANA) fazem o monitoramento especial do Rio Doce para acompanhar a evolução da qualidade da água.  
11. Força-tarefa para salvar animais ameaçados
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Brasileiro de Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vêm fazendo ações de emergência para proteger a fauna da região afetada pela catástrofe, como a retirada de ovos de tartaruga de locais ameaçados na costa capixaba, bem como a captura e transporte de matrizes de peixes também ameaçados. 
12. Liberação de máquinas do PAC a 86 municípios
O Ministério do Desenvolvimento Agrário autorizou o uso de máquinas e equipamentos doados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para auxiliar as ações de socorro, assistência às vítimas e reestabelecimento de serviços sociais. Essas máquinas foram doadas para municípios vizinhos a Mariana (MG). Cada um dos municípios recebeu do governo federal uma retroescavadeira, uma motoniveladora e um caminhão-caçamba. Com isso, 258 equipamentos poderão ser disponibilizados.
Fonte: Portal Brasil
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative CommonsCC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil
http://www.brasil.gov.br/defesa-e-seguranca/2015/11/conheca-12-acoes-do-governo-para-enfrentar-os-impactos-da-tragedia-de-mg-e-es











quinta-feira, 26 de novembro de 2015

COP21 / METAS


Como desenvolver e, ao mesmo tempo, diminuir as emissões de carbono na atmosfera?



A resposta está nas políticas públicas de mitigação!


Todas as partes integrantes da #COP21 devem incluir em suas INDCs (contribuição nacionalmente determinada) metas e ações de mitigação. Além de continuar com o trabalho responsável pela grande redução das emissões nos últimos anos, o Brasil tem metas ambiciosas para o futuro. Confira:


- Fim do desmatamento ilegal no Brasil até 2030;

- Reflorestamento de 12 milhões de hectares;

- Recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas;

- Assegurar 45% de fontes renováveis (a média global é de apenas 13%);

- Expandir o uso de fontes renováveis, além da energia hídrica, na matriz de energia para uma participação de 28% a 33% até 2030;

- Fortalecer o cumprimento do Código Florestal;

- Ampliar a escala de sistemas de manejo sustentável de florestas nativas;

- Alcançar 10% de ganhos de eficiência no setor elétrico até 2030.

Quer saber mais sobre o tema

Acompanhe a série sobre #mudançasclimáticas no:goo.gl/0U3DSR







Faz-se necessário cobrar atitudes das  autoridades, pois não só com metas estaremos dando a nossa contribuição para o clima!



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES


Quer entender melhor como planejar o desenvolvimento sustentável de uma cidade? Inscreva-se já em nosso curso gratuito em português online “Liderando Desenvolvimento Sustentável das Cidades”. Não fique de fora desta conversa:http://ow.ly/TDIgP #BIDCidades #edx



https://www.facebook.com/BIDBrasil/photos/a.281140435313284.64368.230440947049900/982553335171987/?type=3&theater


COP21 / Próxima de sediar a COP21, França emerge como líder em 'financiamento verde.



A uma semana do início da crucial Conferência do Clima (COP21) em Paris, um novo relatório da Pesquisa do PNUMA relativa ao Plano de um Sistema Financeiro Sustentável e do Instituto para a Economia do Clima (I4CE, em inglês) mostra como a França tem obtido sucesso ao integrar fatores sustentáveis em sua arquitetura financeira.
O relatório, entitulado (Eco)Sistema Financeiro da França – aprimorando a integração de fatores sustentáveis,destaca os passos essenciais tomados por atores públicos e privados na França ao longo das últimas duas décadas, introduzindo neste ano um foco em medidas pioneiras em relação ao clima.
O Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner, disse: “A França é parte de um crescente catálogo de exemplos ao redor do mundo onde a sustentabilidade tem sido levada em conta por decisores do setor público e do privado. Esta mudança nas considerações financeiras é um elemento de ambição coletiva que estamos vendo de todos os cantos para um futuro sustentável. Mais do que isso, ela demonstra o momento acelerado para a sustentabilidade que teremos que construir em Paris para combater a mudança do clima.
O estudo é a primeira análise profunda sobre a progressiva divulgação de questões ambientais no sistema financeiro da França. Ela destaca a liderança do país na promoção da integração de sustentabilidade com fatores climáticos para a tomada de decisão financeira. Isto recentemente tomou a forma de um novo relatório sobre o clima e medidas de análise – notadamente o Artigo 173 – que foi adotado como parte da Lei de 2015 sobre a Transmissão de Energia para o Crescimento Verde.
Nick Robins, Co-diretor da Pesquisa do PNUMA, disse: “Este novo relatório sobre a França adiciona à Pesquisa uma análise em prufundidade sobre as ações que os países ao redor do mundo tem tomado para alinhar os seus sistemas financeiros com o desenvolvimento sustentável. Ele mostra como o mercado e a inovação de políticas podem combinar para aprimorar a performance e a resiliência do sistema financeiro.”
O modelo politico e regulatório é um apenas um dos elementos que contribuem para tornar o Sistema Financeiro da França mais verde. O relatório identifica um vasto “ecossistema” de atores comerciais, públicos e sem fins lucrativos que vêm exercendo um papel essencial para a articulação de questões sustentáveis pelo sistema financeiro.
Os registros da França são baseados em uma crescente atenção a questões ambientais, sociais e de governança ao longo dos últimos 15 anos, tendo sido integradas ao modelo em 2001. Desde então, essa abordagem tem sido expandida para questões adicionais, como medidas que focam em:

  • Aprimorar a disponibilidade de informações através do desenvolvimento de um arranjo de medidas que focam no setor financeiro e nas empresas que o financiam;

  • Estimular o desenvolvimento de uma expertise de mercado através de um mix de iniciativas públicas  e privadas e de debates nacionais sobre questões de desenvolvimento sustentável;

  • Dirigir análises de risco aprimoradas através de requisitos mínimos para as instituições divulgarem sua exposição a riscos relacionados ao clima.

Essas medidas contribuíram para o crescimento dos volumes de finanças do clima na França de mais de 30 bilhões de Euros em 2001 para 36 bilhões de Euros em 2013, de acordo com pesquisa do I4CE.
Sediar a COP21 tem fornecido um estímulo a mais para que esforços domésticos na França tornem mais verde o sistema  financeiro do país. Mirando o futuro, o relatório destaca uma série de prioridades para que seja mantido o momento de inovação de políticas e do mercado.
O estudo de caso da França segue o Relatório global da Pesquisa do PNUMA relativa ao Plano de um Sistema Financeiro Sustentável, lançado recentemente, que apresenta como o potencial do sistema financeiro pode ser aproveitado para entregar a transição para o desenvolvimento sustentável.

Para mais informações, entre em contato:
Romain Morel, Gerente de Projetos de Finanças e Regulação do I4CE: romain.morel@I4CE.org, +33‑1585-0601
Mahenau Agha, Chefe de Informações da Pesquisa do PNUMA: mahenau.agha@unep.org - +4179-105-3614


NOTAS AO EDITOR
Baixe o relatório completo aqui.  

Sobre o I4CE
O Instituto para a Economia do Clima (I4CE, em inglês) é uma iniciativa da Casa dos Deputados (CDC) e da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)  que fornece expertise e análise independente sobre quesões econômicas relacionadas à políticas para o clima e para a energia na França e ao redor do mundo. Saiba mais em: http://www.i4ce.org/

Sobre a Pesquisa do PNUMA
A Pesquisa do PNUMA relativa ao Plano de um Sistema Financeiro Sustentável foi estabelecida em Janeiro de 2014 com um mandado para fazer avançar as opções políticas que aprimorem a efetividade do sistema financeiro em apoio ao desenvolvimento sustentável.
Apoiada por um Conselho de alto nível de líderes financeiros, a Pesquisa vem analisando com profundidade em mais de 15 países, assim como através de segmentos-chave do sistema financeiro, como bancos, mercados de equidade, investimentos institucionais, seguradoras e políticas monetárias. Para alcançar isso, a Pesquisa tem trabalhado com bancos centrais, ministérios de meio ambiente, instituições financeiras internacionais, grandes bancos, bolsas de valores, fundos de pensão e seguradoras.
O relatório "O Sistema Financeiro que Necessitamos", está disponível aqui

http://web.unep.org/pr%C3%B3xima-de-sediar-cop21-fran%C3%A7a-emerge-como-l%C3%ADder-em-financiamento-verde

terça-feira, 24 de novembro de 2015

MARIANA /MG


Comissão do Senado vota amanhã (25/11) um Projeto de Lei de autoria do Senador Romero Jucá que enfraquece ainda mais o processo de licenciamento ambiental de grandes obras no país. Será que os senadores já se esqueceram da tragédia em Mariana (MG)? Pressione o seu senador a votar contra essa proposta! Saiba mais: http://bit.ly/1QFVSRv



https://www.facebook.com/GreenpeaceBrasil/photos/a.174182977542.122535.159103797542/10153218904797543/?type=3&theater




COMPOSTAGEM


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

LIVRO DIGITAL GRATUITO / PLANTAS MEDICINAIS

O Estado de Minas Gerais possui, pelo menos, 383 espécies de plantas medicinais. Para que todos pudessem conhecê-las, a farmacêutica Telma Sueli Mesquita Grandi as compilou num livro digital gratuito, o Tratado das Plantas Medicinais Mineiras, Nativas e Cultivadas
Este incrível presente para os adeptos da medicina alternativa traz, além da descrição detalhada as plantas nativas ou cultivadas em Minas Gerais, observações como melhores formas de preparoaplicação, toxidade e até mesmo contraindicações.

Telma sublinha: “Aponto inclusive a parte que pode ser usada, já que, em muitos casos, não é a planta toda que contém as propriedades desejadas, mas apenas a folha ou a semente, por exemplo. As pessoas acham que tudo é preparado do mesmo jeito, mas não é. Se a parte medicinal está na essência, por exemplo, ao se cozinhar perde-se essa essência e, consequentemente, os benefícios”.

livro2A farmacêutica Telma Sueli Mesquita Grandi

O livro é resultado de diversas experiências profissionais ao longo de quase 40 anos, em que Telma lecionou na Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade de Uberaba e Centro Universitário Newton Paiva. Vale dizer que a farmacêutica entrevistou mais de 80 raizeiros de Minas Gerais para redigir a obra.

Além de sua grande utilidade para pesquisa e tratamento de doenças, o livro ainda conta com uma preocupação estética: o registro das espécies não são fotográficos, mas feitos em aquarela. “São obras de artistas mineiros. Coletava as plantas com flor e as levava para eles desenharem e pintar”, conta Telma. Este processo teve aproximadamente três anos de duração até ser finalizado.
O livro ainda conta com uma versão em DVD. Para baixar o livro em PDF ou fazer o pedido do DVD acesse o site oficial da publicação.




http://www.hypeness.com.br/2015/11/livro-digital-gratuito-reune-informacoes-sobre-quase-400-especies-de-plantas-medicinais/

domingo, 22 de novembro de 2015

FRAUDE EM TESTE DE EMISSÕES






A Volkswagen mentiu para você ao fraudar testes de emissões. O Ibama aplicará multa de 50 milhões na empresa mas não é suficiente! 










https://www.facebook.com/GreenpeaceBrasil/photos/a.174182977542.122535.159103797542/10153202660547543/?type=3&theater







sábado, 21 de novembro de 2015

MAIS VIDA E SAÚDE COM ALIMENTOS ORGÂNICOS


Couve, cenoura, banana, brócolis, pimentão, mato, laranja, vagem, salsinha, berinjela, mato, couve-flor, manga, cebolinha, cebola, abobrinha, nirá, mexerica, mato, batata, hortelã, melão, jiló, menta, alho-poró, mato, ervilha torta e galinhas para “postura” (só para colocar ovos). Tudo isso junto e misturado. Assim é a cultura de consórcio praticada pelos agricultores do Assentamento Colônia I, que comercializam orgânicos em frente ao Ministério do Meio Ambiente e em outros locais de Brasília há 13 anos. O mercado de orgânicos cresce 20% ao ano no Distrito Federal, segundo dados atuais da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan).
“Aqui fazemos o manejo da terra, não precisa capinar tudo, deixar tudo limpinho. Fazemos um controle natural. O mato ajuda a equilibrar, a despistar os insetos”, conta o agricultor José Vitorino Barros, 54, um dos oito produtores do Colônia I. “A ideia nossa é produzir qualidade de vida. O segredo é: quanto mais você olha, mais bonito fica”, revela.

CULTIVO ORGÂNICO
O amor à terra vai aliado a muita prática, conhecimento e manejo. Hoje, o solo ácido do Cerrado, no entorno de Brazlândia (DF), a 65 km da capital federal, se tornou uma terra trabalhada onde tudo dá. “Quando eu era do convencional, 20 anos atrás, o que eu vendia deixava na agropecuária para comprar sementes e aditivos químicos”, explica Vitorino sobre a dependência de agrotóxicos que a agricultura convencional gera nos agricultores.
Orientado por profissionais da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater) e professores da Universidade de Brasília (UnB), o grupo de agricultores vem aprimorando, ao longo dos anos, o cultivo orgânico.
“Antes uma folha de couve furadinha do que recheada de veneno” é a máxima de José Vitorino. A água que irriga a plantação, diariamente, vem de um poço artesiano de 130 metros, cavado por meio de uma “venda solidária”. O agricultor explica: “Meu filho, Watila, teve a ideia de uma venda antecipada para nossos clientes. Cada um colaborou com o que pôde, 100, 200, até 500 reais. Em 90 dias, devolvemos o dinheiro em produtos e, quando o poço ficou pronto, fizemos um almoço para eles”.

QUALIDADE
Anualmente, os agricultores do Assentamento Colônia I produzem 40 variedades de verduras e frutas, sendo 25 semanais, além de bolos, biscoitos e queijos feitos pelas mulheres da Associação dos Produtores do Projeto Colônia 1 (APPC). O que cada um produz é vendido por todos. Levantam uma média de R$ 1,5 mil por feira. “Dá para ter qualidade de vida, não para enricar”, comenta Watila José dos Santos.
A APPC surgiu em 1996, com 24 famílias beneficiadas pelo programa de reforma agrária do Incra. Hoje, oito dessas famílias trabalham com a produção de orgânicos. A APPC é considerada uma instituição importante para a concretização das propostas de desenvolvimento e proteção ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) do Lago Descoberto.

PERIGO
Desde 2008, o Brasil é campeão mundial no uso de agrotóxicos. Ainda hoje pulverizados por via aérea nas plantações no país (prática proibida na Europa), os pesticidas afetam negativamente tanto os seres humanos, gerando desde alergias a câncer, como o meio ambiente. A alarmante extinção das abelhas, responsáveis pela polinização de diversas espécies de plantas, é umas das graves consequências. O veneno também penetra no lençol freático e contamina as águas. E assim por diante.
A produção orgânica tem crescido no país com o aumento da demanda. Consumidores conscientes dos benefícios à saúde e ao meio ambiente se multiplicam, assim como os produtores. Atento a essa demanda social, o governo criou a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PNAPO) e, em 2013, o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo).

AGROECOLOGIA
“O Planapo é, também, um reconhecimento da viabilidade econômica, social e ambiental da agroecologia e da produção orgânica. Já iniciamos a elaboração da sua segunda fase", destacou a gerente de Políticas Agroambientais da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Roseli Bueno de Andrade.
Em fase de conclusão, o Programa Nacional de Redução do Uso de Agrotóxico (Pronara), parte do Planapo, foi aprovado em 2014 pela Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO). Trata-se de uma comissão paritária, composta por membros do governo e da sociedade civil.
Com foco na produção saudável de comida, na primeira semana de novembro, aconteceu, em Brasília, a V Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Destacou-se, no evento, a importância vital dos agricultores familiares, que produzem 70% dos alimentos consumidos no país.

O QUE É PRODUTO ORGÂNICO
O alimento orgânico vegetal é aquele obtido sem a utilização de agrotóxicos, pesticidas, adubos químicos ou sementes transgênicas. O de origem animal deve ser produzido sem o uso de hormônios de crescimento, anabolizantes ou drogas, como antibióticos, que favoreçam o seu crescimento de forma não natural. Os orgânicos são considerados mais saborosos e saudáveis, além de terem alto teor de antioxidantes, vitaminas, minerais, fósforo, fibras e outros nutrientes que beneficiam o equilíbrio do organismo.

ONDE ENCONTRAR
Sempre às quintas-feiras, das 6h às 13h, em frente ao Ministério do Meio Ambiente, no bloco B da Esplanada dos Ministérios; no MMA da 505 Norte; na entrada do ICC Norte, na UnB (também às terças-feiras); em frente ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, bloco C da Esplanada dos Ministérios; e em frente à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) - (61) 2028-1173
http://www.mma.gov.br/index.php/comunicacao/agencia-informma?view=blog&id=1274


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

PROTEÇÃO PELA AMAZÔNIA





Quer fazer sua parte pela proteção da Amazônia? Reduza o consumo de carne e encha o SAC dos supermercados para que ele garanta aos consumidores um produto livre de desmatamento. Saiba mais: http://bit.ly/1PPA0l4








http://www.GreenpeaceBrasil/photos/a.174182977542.122535.159103797542/10153212692872543/?type=3&theater








NOVIDADE / NOVO TIPO DE PLÁSTICO




quinta-feira, 19 de novembro de 2015

IBAMA DO RIO DEVOLVE 300 ANIMAIS Á NATUREZA


Operação de soltura será realizada pelas superintendências do Ibama no Rio, no Espírito Santo e na Bahia.

Por Nelson Feitosa, da Ascom/Ibama
Duzentos e oitenta e seis animais silvestres apreendidos em cativeiros ilegais no Rio de Janeiro pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foram reabilitados e serão devolvidos à região de ocorrência, em Porto Seguro, no sul da Bahia.
A operação de soltura dos 274 jabutis, 11 pássaros e uma iguana será realizada pelas superintendências do Ibama no Rio, no Espírito Santo e na Bahia, com apoio da Marinha. Antes disso, passarão por um período de recuperação no Centro de Triagem (Cetas) de Porto Seguro, que inclui exames clínicos e marcação individual para futura identificação.
COMPRADORES
Os animais foram reabilitados no Cetas do Rio e chegaram ao Nordeste nesta quarta-feira (11/11). Todos serão soltos em uma área protegida na localidade de Tremendal. “Muitos animais retirados das matas do Norte e Nordeste são levados ilegalmente para o Sudeste. O tráfico só ocorre porque existem compradores. É importante conscientizar as pessoas para que não comprem animais de origem ilegal”, diz a analista ambiental Taciana Sherlock, do Núcleo de Biodiversidade do Ibama no Rio.
Segundo ela, as espécies de maior ocorrência são pássaros, quelônios e primatas. “A maioria dos animais que chegam ao Cetas do Rio é de outras regiões do País. Esse processo de retorno à região de ocorrência é muito trabalhoso”, acrescentou.
O Centro de Triagem de Animais Silvestres recebe espécies apreendidas em operações contra o tráfico, resgatadas ou entregues de forma voluntária. O processo de reabilitação não é o mesmo para todos. “Alguns animais que estão acostumados com a presença humana demoram mais tempo para serem reabilitados”, diz Taciana. “Trabalhamos com alguns papagaios que levam até seis meses para voltar à natureza.”
http://www.mma.gov.br/index.php/comunicacao/agencia-informma?view=blog&id=1270

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

FLORADAS/ ESCUMILHA

ESCUMILHA





Lagerstroemia indica

Descrição: Da família das Litráceas. É uma árvore regular, medindo até 10 centímetros de altura, com ramos muito espalhados e compridos; sua casca é lisa, de cor pálida, escamosa, desprendendo-se com lâminas irregulares, suas folhas curto-pecioladas, oblongo lanceoladas ou elípticas, subagudas no ápice, agudas ou arredondadas na base, de 10 a 20 centímetros de comprimento, inteiras, peninervadas, nervuras principais de 10 a 13, finamente reticuladas nas duas páginas, pálidas na página inferior, pecíolos vigorosos, de 2 centímetros de comprimento, pedicelos também vigorosos, pubescentes, crassos na parte superior e articulados do meio para baixo. Suas flores de 5 a 8 centímetro de diâmetro, dispostas em grandes panículas axilares e terminais de 30 centímetros ou mais.
Partes utilizadas: Raiz.
Origem: Índia, Malásia e China.
Propriedades medicinais: Adstringente (raiz), purgativo, drástico e hidragogo (folhas), narcótico (sementes).
Indicações: Sarnas, aftas e estomatites (raiz). Madeira usada na construção.
Escumilha

Pode ser usada em arborização urbana, se adapta em calçadas menores. As flores  despontam na primavera.


 http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/escumilha.html#.VkoouHarTIU#ixzz3rgP7WNlB