quinta-feira, 28 de maio de 2015

Olimpíadas/Baía de Guanabara IV



                      * Tema para próximas postagens: Segundo o Jornal O Globo/26/05/2015,
                      há uma importante notícia para ser comentada: Programa para ampliar o
                     sistema de reciclagem fica emperrado.

terça-feira, 19 de maio de 2015

CRIMES AMBIENTAIS

Quando divulgamos uma espécie que sabemos estar sujeita ao vandalismo, como a Aroeira, cabe a nós alertarmos sobre as consequências previstas em lei.


segunda-feira, 18 de maio de 2015

VALENTES


                                                              Caminho sinuoso.

AROEIRA PIMENTEIRA


EVITANDO O CONSUMO DESENFREADO

A Aroeira Pimenteira, por produzir a pimenta rosa, muito apreciada na culinária, foi bastante devastada há cerca de 4 -5 anos atrás, tendo como foco extrativista a Região dos Lagos. É apreciada no paisagismo principalmente no outono, devido à cor deslumbrante de suas sementes.



segunda-feira, 11 de maio de 2015

Paisagismo

Plantas Valentes (região costeira)

As  plantas destinadas aos jardins em residências prainas, merecem um capítulo especial devido às características adversas como: o sol, os ventos salinizados, a eventualidade de regas em casas de veraneio e  a especial relevância  dos novos tempos de racionamento de água. Para tal estaremos sugerindo algumas plantas resistentes para tal finalidade.

 NOME CIENTÍFICO: Pachypodium lamerei.

NOME POPULAR: Palmeira-de-madagascar
.
FAMÍLIA: Apocynaceae.

ORIGEM: Madagascar.

PORTE: 6 metros de altura, mas se cultivada dentro de casa, atinge no máximo 2 metros de altura.

FOLHAS: Estreitas que crescem na parte superior do tronco, como se fosse palmeira.

FLORES: brancas, que só aparecem após 10 anos.

LUMINOSIDADE: Sol pleno.

ÁGUA: Pouca água, suporta solo mais seco, regar 1 vez por semana, reduza quantidade no inverno.

CLIMA: Quente, não tolera geadas.

PODA: Retirar apenas folhas secas.

CULTIVO: De fácil cultivo, crescimento lento, o solo tem que ter boa drenagem, de forma que não acumule água, para não apodrecer 
as raízes.

UTILIZAÇÃO: Jardins rochosos e ambientes internos desde que ofereça a luminosidade necessária.

PROPAGAÇÃO: Por sementes e estaquia. 

NOME POPULAR: Palmeira-de-madagascar..

CICLO DE VIDA: Perene.

ORIGEM: Madagascar

( em:< http://plantas-ornamentais.blogspot.com.br/2011/05/palmeira-de-madagascar-pachypodium.htm>)









 Dicas para semeadura/ plantio de estacas/propágulos.

Naturalmente, surgem muitas novidades para a reutilização de materiais descartáveis, algumas absurdamente práticas e eficientes.  Abaixo, procuro mostrar a confecção de copos para plantio à partir do rolinho do papel higiênico. São muito bons para reprodução de sementes e mudas porque o torrão formado após a germinação  não se desfaz, e, uma vez obtida a muda desejada, pode-se plantar diretamente com o papelão, que é de fácil decomposição no solo. Outra vantagem é  a rapidez do processo, exemplificando com o fato do plantio dos propágulos, na recomposição dos manguezais. Muito interessantes também são as estufinhas que auxiliam muito na germinação das sementes, garantindo umidade por um bom tempo; pode-se utilizar PETs e outras formas, até recobrir os vasinhos com sacos plásticos. Atenção: a transparência é fundamental.




Corta-se  2 cm no rolo de papelão e dobra-se para dentro, fechando o cone. Em seguida é só preencher com o substrato adequado e efetuar o plantio.



 Reprodução de manjericão em caixa de ovo, que é lacrada após a semeadura. As gotículas na superfície retornam para a terra, propiciando a umidade. O ciclo oxigênio/gás carbônico também é mantido, garantindo a fotossíntese.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Pausa para contemplação

Devemos ter uma visão holística em relação ao  ambiente em que vivemos, procurando sempre preservar aquilo que nos rodeia. A contemplação ajuda a nossa sintonização com elementos importantes para o nosso bem estar. Essa reflexão sempre nos remete para a natureza, porém é essencial a percepção de outros componentes,  assim sendo, estaremos dando um destaque especial ao nosso patrimônio, obra do homem e não do universo, mas uma riqueza fundamental para a nossa história.

terça-feira, 5 de maio de 2015



Mapa de Localização da Espécie





                                                              
                                            
Rhizophora mangle
L.
              







Curiosidades:

Lições sobre o mangue - O Rio São João nasce na Serra do Sambê e deságua no distrito de Barra de São João, onde forma um estuário com características singulares. Maior rio genuinamente fluminense, ao longo dos seus 120 km o São João corta florestas de Mata Atlântica. Em sua foz, ainda abriga uma área de 5 km² de manguezal, sendo um dos ecossistemas mais bem preservados em todo o estado do Rio.







 Propágulo de Rizophora mangle
Picinguaba, Ubatuba. Foto de Flávio Berchez

Os propágulos possuem a função de propagar a espécie, ou seja, são estruturas adaptadas para garantir o sucesso na dispersão de algumas plantas de mangue. A sua morfologia e histologia garantem o seu posicionamento na vertical, quando cai da árvore, com o botão vegetativo para cima. Isto se deve ao fato de que sua parte inferior, onde irão se desenvolver as raízes, ser mais pesada, fazendo com que simplesmente a força da gravidade atue no seu posicionamento.





Observações em relação ao Rio São João:



O mangue se forma no Rio São João devido a um braço de mar que adentra pelo Rio, salinizando suas águas. Quando ocorrem as enxurradas os propágulos* se desprendem e naturalmente vão dar nas areias das praias próximas, dessa maneira torna-se muito fácil recolhe-las para o replantio.


Deve-se preparar um substrato com duas partes de areia, uma de terra e uma de barro. Pode-se fazer o reaproveitamento de copos descartáveis para plantio. Sugere-se ainda a utilização de rolinhos de papel higiênico e similares, cujo serão facilitadores na hora do plantio, devido a fácil decomposição do papelão no solo.



                                          Plantio de propágulos
                                            Germinação de propágulos

*Ler a matéria anterior