domingo, 6 de dezembro de 2015

AGRICULTURA GLOBAL PODE REDUZIR EMISSÕES





Paris, 1º de Dezembro de 2015 - A produção agrícola global é o setor mais gravemente afetado pela mudança do clima, já que o aumento da variabilidade climática causa secas e inundações mais graves, que ameaçam os meios de subsistência e a segurança alimentar. Por outro lado, a agricultura é uma grande parte do problema, responsável por 24% das emissões de gases de efeito estufa (GEE), que causam as mudanças climáticas.
Delegados de um evento da Agenda de Ação Lima-Paris (LPAA) foram apresentados a iniciativas que ajudam os agricultores a se adaptarem às mudanças climáticas e a reduzir emissões. O evento teve por objetivo mostrar quão efetivo e concreto pode ser o progresso, quando um amplo e internacional conjunto de partes interessadas trabalha junto para construir sistemas de produção de resiliência e baixo carbono nos sistemas agrícola e alimentar.
José Graziano da Silva, Diretor da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), disse que a mudança do clima dificulta os esforços globais para prevenir a fome e que a agricultura, a segurança alimentar e as alterações climáticas se unem agora como nunca antes.
"Com um aquecimento de mais de 2 graus, vamos passar por muitos pontos críticos no mundo todo, mas é preciso lembrar que há também momentos decisivos para as famílias e comunidades que já estão passando por isso", disse. "Os agricultores estão sendo expulsos de suas terras com a seca, pescadores costeiros estão sendo forçados a se mudar por causa do aumento do nível do mar e os pastores têm de encontrar uma terra melhor para criar o gado. Ações no setor da agricultura podem ser transformadoras, mas a comunidade internacional deve intensificar e ajudar a monitorar os próximos passos. A FAO está pronta para ajudar os países a implementar ações."
A FAO está trabalhando em duas frentes: a Iniciativa Blue Growth, que apoia a resiliência do clima, segurança alimentar, redução da pobreza e gestão sustentável dos recursos aquáticos vivos nas comunidades costeiras, em especial nos pequenos Estados insulares em desenvolvimento; e a Iniciativa SAVE FOOD - uma Iniciativa Global sobre a perda de Alimentos e redução de Resíduos, com mais de 500 empresas e organizações, incluindo o PNUMA, da indústria e da sociedade civil ativas na perda de alimentos e redução de resíduos.
Craig Hanson, Diretor Global de Alimentos, Florestas e Água no Instituto Mundial de Recursos (WRI), parceiro da SAVE FOOD, disse que o desperdício de alimentos foi um enorme problema com 1,3 bilhão de toneladas de alimentos deliberadamente descartados no caminho da fazenda até a nossa mesa.
"Este desperdício de alimentos cobriria uma área do tamanho da China, o consumo de 1/4 da quantidade de água utilizada na agricultura, e a emissão de 8% de todos os gases de efeito estufa", disse Hanson. "Se a perda de alimentos fosse um país, seria o terceiro maior emissor de GEE."
O Ministro Francês da Agricultura, Alimentação e Florestas, Stéphane Le Foll, ajudou a lançar a Iniciativa 4/1000, que visa proteger e aumentar os estoques de carbono nos solos.
"Estamos garantindo que o solo esteja sempre coberto por plantas, para que o carbono seja fixado e devolvido à terra", disse M. Le Foll. "Isso é algo que estamos fazendo na França para impulsionar o carbono do solo e é algo que poderia ser importante para muitos países da África."

No foco da Agenda de Ação Agrícola, estão seis grandes iniciativas de apoio aos agricultores, entre elas:

A Iniciativa 4/1000: Solos para a Segurança Alimentar e o Clima
Oficialmente lançada no dia 1º de dezembro por cem parceiros (estados desenvolvidos e em desenvolvimento, organizações internacionais, fundações privadas, fundos internacionais, ONGs e organizações de agricultores), a 4/1000 tem o objetivo de proteger e aumentar os estoques de carbono nos solos. Os solos podem armazenar grandes quantidades de carbono e contribuir para limitar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera, suplementando os esforços necessários para reduzir as emissões globalmente e geralmente por toda a economia.
Life Beef Carbon
Agricultores de quatro países europeus estão unindo forças e assumindo a liderança para reduzir a pegada de carbono do setor pecuário. Inicialmente lançado em outubro de 2015, a iniciativa “Life Beef Carbon” tem como objetivo a promoção de sistemas de pecuária inovadores e práticas associadas a garantir a sustentabilidade técnica, econômica, ambiental e social das explorações de carne bovina, e, assim, reduzir a contribuição da pecuária para as emissões de GEE. A iniciativa tem o objetivo de reduzir a pegada de carbono da carne em 15% ao longo de 10 anos na França, Irlanda, Itália e Espanha.
Programa da Adaptação da Agricultura Familiar (ASAP)
Através desta iniciativa, o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola  (FIDA) e seus parceiros se comprometem a investir o financiamento do clima nos pobres e pequenos agricultores dos países em desenvolvimento para gerar múltiplos benefícios. Os pequenos agricultores estão entre os melhores clientes possíveis para o financiamento do clima. Tais investimentos podem aumentar a produtividade agrícola e, ao mesmo tempo, restaurar e manter uma base de recursos naturais resilientes, além de reduzir a pegada de carbono da agricultura. Essa iniciativa está sendo reforçada por 12 outros países que entraram na lista atual de 44 países parceiros, aumentando a quantidade total de fundos comprometidos com a ASAP até US$ 285 milhões. Até 2034, este financiamento adicional vai evitar ou separar 80 milhões de toneladas de emissões de gases de efeito estufa (CO2) e irá reforçar a capacidade de resistência de oito milhões de pequenos agricultores.
15 países do oeste africano em transição para a agroecologia
A Promoção da Transição para a Agroecologia no Oeste da África é uma iniciativa regional comandada pela ECOWAS. A parceria engloba 15 países, incluindo, Burkina Faso, Gana e Senegal. Os principais parceiros financeiros incluem a União Europeia, o Banco Mundial e a Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD, na sigla em inglês) da União Africana. Esta iniciativa de impacto entrega benefícios de adaptação e de mitigação de emissões, e permitirá a adoção de práticas agroecológicas por 25 milhões de lares até 2025.
A Iniciativa Blue Growth (BGI)
Uma iniciativa de múltiplos parceiros guiada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), que apoia a resiliência sobre o clima, a segurança alimentar, o combate à pobreza e o manejo sustentável de recursos aquáticos vivos em comunidades costeiras, especialmente em pequenas ilhas de estados em desenvolvimento. As ações focam em uma redução de 10% nas emissões de carbono de cadeias de valor de pesca em 10 países durante 5 anos (e 25% em 10 anos), e na redução da sobrepesca em 20% em 5 anos (50% em 10 anos).
A Iniciativa SAVE FOOD
Esta é uma parceria única guiada pela FAO, com mais de 500 empresas e organizações da indústria e da sociedade civil ativas na redução do desperdício de comida e do lixo. A iniciativa foca em dirigir inovações, promover um diálogo interdisciplinar e estimular debates para gerar soluções por toda a cadeia de valor, “do campo ao garfo”. Esta iniciativa desenvolveu recentemente uma plataforma técnica que será lançada nos próximos dias para medir e reduzir o desperdício de comida e o lixo.
Isso deve permitir uma grande redução nas emissões agrícolas, assim como o desperdício global de alimentos para o equivalente a 3,3 gigatoneladas de CO2 por ano.
Sobre a LPAA
A Agenda de Ação Lima-Paris (LPAA, na sigla em inglês) é uma junta que engloba as presidências da COP no Peru e na França, o escritório do Secretário-Geral da ONU e o Secretariado do UNFCCC. O objetivo da iniciativa é fortalecer a ação para o clima ao longo de 2015, em Paris em Dezembro e muito além: mobilizar uma ação global robusta para sociedades resilientes e de baixo carbono, fornecendo apoio aperfeiçoado para iniciativas existentes, como as lançadas durante a Cúpula do Clima de Nova York, em setembro de 2014; mobilizar novos parceiros e fornecer uma plataforma para a visibilidade de suas ações, compromissos e resultados no caminho para a COP21. Saiba mais no link (em inglês): http://newsroom.unfccc.int/lpaa/about/ 
http://web.unep.org/agricultura-global-pode-reduzir-emiss%C3%B5es

Nenhum comentário:

Postar um comentário